Criolipólise reduz medidas por meio de técnica de resfriamento

Criolipólise reduz gordura localizada e medidas

Já pensou em acabar com gordura localizada sem cirurgia, cortes e dor? O segredo está no congelamento das células adiposas (entre 5°C e -10°C), que são eliminadas pelo sistema linfático. A criolipólise é feita em sessões de uma hora e promete reduzir de 20% a 30% da camada lipídica da região onde é realizada. Esse resultado pode ser garantido de uma a três sessões, sendo perceptíveis num período de 30 a 90 dias após o início do tratamento.

De acordo com a especialista na área dermato funcional, a fisioterapeuta Claudete Arruda, a técnica utiliza
uma tecnologia de resfriamento intenso, localizado e seletivo, na qual as células de gordura são estruídas
com o frio, sem causar danos a outros tecidos.

O processo de redução da gordura se inicia durante a exposição do tecido ao frio e continua até seis meses após o tratamento. “O paciente sentirá um puxão firme e uma sensação d e resfriamento progressivo do tecido. O procedimento é super tranquilo e raro são os pacientes que relatam desconfortos maiores” explica a especialista que é a única em João Pessoa a oferecer o serviço oferecido na Clínica de Estética Glam, localizada na rua Tabelião Ramalho, nº 1358, no bairro de Cabo Branco.

O paciente pode retornar as suas atividades normalmente sem restrições, exceto em alguns casos que
possam ficar hematomas( que desaparecem em torno de 7 a 10 dias) deve-se evitar exposição solar.

“Os resultados começam a ser mais visíveis com 30 dias e vão evoluindo até seis meses, mas nos dois primeiros meses a quatro meses os resultados são mais intensificados.Tivemos casos de pacientes que com 15 dias já observamos resultados , mas isso vai variar de acordo com cada pessoa”, explica Claudete.

Segundo Claudete o tratamento é seguro , quando utiliza um equipamento seguro e quando a técnica é
bem aplicada.Isso é um requisito importantíssimo, procure equipamentos que estejam liberados pela Anvisa e profissionais que sejam qualificados.

“Desconfie de preços atrativos demais, por trás deles há sempre um perigo: máquinas de pouca credibilidade, membranas de baixa qualidade ou até mesmo reutilização da membrana, profissionais que desconhecem a técnica e fazem do atendimento uma receita de bolo. A mesma temperatura para quantidade de gorduras diferentes e tecidos diferentes, a mesma posição do cabeçote e o não cumprimento a requisitos importantes para a realização da técnica no que diz respeito a quantidade de gordura mínima para realizar tal procedimento”, informa Claudete Arruda.

Sobre Lílian Moraes

Jornalista profissional, graduada em Comunicação Social pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), apaixonada por moda e todo o universo fashion.