Melodia preciosa

Retro pop se mistura ao surrealismo em cores primárias

A conexão dos seres humanos com o universo e o tempo físico inspiram a coleção do estilista Vitorino Campos apresentada na edição 43 do São Paulo Fashion Week.

Ao acreditar que tudo tem o mesmo peso, medida e valor. Tecidos como nylon, seda, couro e lã são apresentados em modelagens de linhas simples trazendo uma forma natural e não-linear às peças, mas dançam em preciosa melodia.

Retro pop se mistura ao surrealismo em cores primárias, prismas que se difundem em acessórios construídos em propostas visuais instantâneas. Cordas e lápis em bolsas e sandálias de salto se contrapõem ao tênis clássico da Reebok e equilibram propostas dentro de um zoom na significância da matéria. O resultado na passarela é uma coleção bem estruturada, com combinações de cores e formas que causam desejo e estão bem conectadas ao gosto contemporâneo. O ar geral é de um grunge renovado, mais nobre, com pitadas de glamour cintilante anos 8).

Do grunge as peças trazem o aspecto xadrez, as modelagens com pitadas de oversized, ainda que um oversized bem controlado, com consciência do corpo. Nada anti-moda, pelo contrário. As pitadas de 80 nos tecidos brilhantes, nas mangas bufantes, nas peças acinturadas.

A escolha de cores orquestra as diferentes referências e acerta no clima esperado para o próximo inverno: preto, branco, rôxo, amarelo e o vermelho, que vem com muita força desde as temporadas do final do ano passado.

Sobre Lílian Moraes

Jornalista profissional, graduada em Comunicação Social pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), apaixonada por moda e todo o universo fashion.